twitter facebook google plus rss feed email

11/09/14

Chivukuvuku vai aos Mulenvos/VIANA


Chivukuvuku na Estalagem (arquivo)
O presidente da CASA-CE Abel Chivukuvuku visita no próximo Sábado dia 13, o bairro dos Mulenvos de Cima, município de Viana, concretizando deste modo a promessa por si deixada aquando da visita a Estalagem, na mesma circunscrição administrativa.
A visita aos  Mulenvos segundo nota dos serviços de imprensa do gabinete do presidente, insere-se no programa que tem desenvolvido o líder, devendo igualmente proceder ao lançamento da primeira pedra no local onde será construída a sede da CASA-CE nos Mulenvos.
A concentração da massa militante e dos moradores em geral está prevista para o Cruzamento das Pedrinhas, pelas 10 horas, de onde partirá a a marcha até ao local do acto público.

Fonte: CASA-CE

21/08/14

CASA-CE, Organismo de Reconciliação Nacional é Urgente

O Conselho Presidencial da CASA-CE, manifestou hoje a sua preocupação, com o retorno ao discurso de incriminação, que está sendo proferido por certos actores políticos da praça angolana nos dias de hoje.

As mais recentes  intervenções havidas na Assembleia Nacional durante o debate sobre Reconciliação Nacional, numa iniciativa da organização política, ficaram marcadas por este tom de discurso. 
O balanço da  CASA-CE sobre o debate da Assembleia foi apresentado nesta quinta-feira  em conferencia de imprensa, durante a qual a coligação procurou explicar o propósito da iniciativa parlamentar. “A CASA-CE” disse Lindo Tito, “pretendeu que o Parlamento discutisse o assunto em epígrafe, com a profundidade exigida e se adoptasse uma resolução consensual...e, indique as soluções para a genuína Reconciliação e Unidade Nacional”.
A organização liderada por Abel Chivukuvuku deplorou contudo a pretensão de desvirtuar o espírito do debate, através do recurso ao discurso sobre o passado, apesar de terem sido registadas contribuições positivas. 
A coligação recorda o carácter inútil do discurso de recriminação e diz, citamos, “...a grandeza de um povo reside na sua capacidade de enterrar os aspectos negativos ...
É inútil pretender-se transportar sobre os ombros um fardo que periga a nossa Reconciliação no presente e que por arrasto possa perigosamente, ser transferido para as futuras gerações...” lê-se no documento fonte.
Um apelo foi endereçado  ao presidente da Assembleia, no sentido de que ele seja mais  imparcial na condução dos trabalhos. 
A CASA-CE,  reiterou por outro lado, a necessidade da institucionalização dum  “órgão suprapartidário, independente do poder Executivo...” de promoção da Reconciliação Nacional. O órgão que segundo a organização, deveria  ser integrado por figuras idóneas da sociedade civil.
Dirigentes da CASA-CE, no decurso da conferência de imprensa hoje quinta-feira
O passado... condiciona de forma determinante o presente e o futuro do país. Ou aceitamos ultrapassar o passado e formulamos as novas base para a construção do futuro, ou então temos de clarificar o passado, para que este não hipoteque o futuro...” lê-se no documento que finaliza com o anúncio da realização da reunião do Conselho Deliberativo Nacional e o Congresso da MPA-Mulher Patriótica, no próximo mês de Abril.

20/08/14

Ecos duma Visita bem sucedida

                                   
Ninguem como este homem tanto contacta as massas populares.  Percorre vários  quilómetros ao dia, procurando  inteirar-se dos problemas e ouvir o que sentem as pessoas. 
Por este metodo, Abel Chivukuvuku tem conseguido despertar os corações dos angolanos e mediante presença física, a empatia, como aconteceu recentemente na viagem que efectuou ao  Namibe.
Veja aqui algumas  das imagens que reflectem isso mesmo.
   









15/08/14

O Ebola no Camucuio, Namibe


Para Impedir Recepção de Chivukuvuku, Criada Campanha de Sensibilização e Intimidação

A informação foi avançada pelos  brigadistas do MPLA, que foram  destacados em todas as artérias do Camucuio, no mesmo dia (quinta-feira)  em que chegaria a localidade, o presidente da CASA-CE.


Elementos da JMPLA e da OMA foram deslocados da sede Namibe, para ocuparem todos os cantos da vila, nomeadamente praça, mercado, ruas. O hospital municipal foi evacuado de tal sorte que durante a visita efectuada não foi encontrado nenhum doente. Os professores foram dispensados das actividades laborais, para participarem da campanha sobre o ébola. O mesmo cenário  viveram os alunos e demais residentes que foram advertidos a não saírem as ruas enquanto decorresse a campanha sobre o ébola, que chegara aquele município segundo os promotores do partido no poder. 

De acordo com as declarações de muitos dos participantes da Brigada não satisfeitos e que manfestaram descontentamento, por não compreenderem o porquê que, ao mesmo tempo que lhes foi dado o alerta, portanto na mesma manhã, tomaram logo essas medidas, que no seu ver eram despidas de senso. As mamãs e jovens fardaram-se com as camisolas, lenços, chapéus do partido no poder e quadricularam todo o sítio provável de passagem de Chivukuvuku.
A população do Camucuio ficou agitada, a praça abandonada e as ruas desertas.

Logo que a Caravana da CASA-CE chegou, começaram a surgir pessoas que pareciam até ali estarem escondidas com o vermelho, preto e amarelo, como atestam as imagens em evidência, e a forçarem cruzar-se provocatoriamente com os membros da delegação do Presidente Abel, como se pode ver nas imagens, sempre com a testemunha dos jornalistas, tanto da ANGOP, da Rádio Local, ou da TPA Namibe que cobrem a digressão, bem como a força policial de escolta.

“O Ebola chegou ao Camucuio”, foi o grito de guerra. Os activistas  bem enquadrados, uns faziam-se transportar por uma viatura Toyota de cor vermelha, com matricula LD-33-45-FI. Os populares fugiam com medo. O que chamou a atenção da grande farsa foi que os ditos brigadistas não eram portadores nem luvas, nem máscaras e ao invés de sensibilizarem os populares para as medidas de precaução como seria óbvio, intimidavam todo aquele que tentasse  aproximar-se do militante da CASA-CE.

Se realmente esta triste e irresponsável encenação nao tiver nada que ver com o virus do Ebola como se pretendeu fazer crer, e se o objectivo era no fundo o de afugentar as pessoas para não receberem Chivukuvuku, o resultado de tudo foi a instauração ao nível dos municípios um estado de terror; ou melhor um autêntico terrorismo de Estado.

Este clima de intolerância, praticamente foi também vivido na Bibala, situação de que nos vamos referir nos próximos trabalhos. Outros dados indicam que estas operações foram coordenadas pelos administradores, ao mesmo tempo primeiros secretários do MPLA, de seus nomes: João Guerra, Secretário Municipal do Namibe, Mário Tchova, administrador adjunto da Bibala, e José Sombo, Administrador do Camucuio.
De resto, as imagens em apoio falam por si.

 Fonte: Félix Miranda



Abel Chivukuvuku fala  a imprensa...  Ao fundo podem ser vistos activistas do Mpla

Activistas da CASA-CE ...




Activistas do partido no poder tomaram de assalto as ruas do município sede .
Activista do partido no poder no mercado do Camucuio,  em campanha contra a ébola...

10/08/14

Chivukuvuku no Namibe


Percorrendo as ruas da sede municipal
Abel Chivukuvuku presidente da CASA-CE está no Namibe desde sexta-feira em visita de trabalho que se  prolongará por uma semana pelo menos.
Chivukuvuku liderou  neste sábado a marcha pelas  artérias da cidade presidindo de seguida um acto de massas.
Siga aqui algumas das imagens desta deslocação.






Adicionar legenda




31/07/14

Reconciliação em Debate

 

Proposto pela CASA-CE: Assembleia Nacional agenda debate sobre "Reconciliação e Unidade Nacional"

Almirante Miau.jpg - 56.64 KBLuanda - Os deputados da Assembleia Nacional (AN) encerram a 13 de Agosto próximo o programa de debates mensais convocados para a 2ª Sessão da 3ª Legislatura, com uma discussão à volta do tema "Reconciliação e Unidade Nacional". O tema, aprovado durante a Conferência de Líderes das bancadas Parlamentares, orientada pelo presidente do órgão, Fernando da Piedade Dias dos Santos, foi proposto pelo Grupo Parlamentar da CASA-CE.
Este tem sido um assunto muito solicitado pela oposição, nos trabalho do Parlamento, com vista a encontrar caminhos para reflectir sobre as causas da guerra e como os angolanos podem vier em harmonia, em tempo de paz.

No entender de Raúl Danda, presidente do Grupo Parlamentar da UNITA, Angola tem ainda "um longo caminho a seguir", relactivamente à consolidação "da paz e reconciliação nacional".

"A paz no nosso entender não pode significar apenas o calar das armas, mas sobretudo pacificar os espíritos", expressou o parlamentar à imprensa, a respeito de um processo de estabilização do país que decorre desde 2002.

No entender do parlamentar da UNITA, é fundamental que o Estado e a sociedade não estratifiquem ou avaliem os cidadãos pelas suas opções políticas, caso se queira assegurar a verdadeira reconciliação em Angola. "A reconciliação nacional não pode ser vista com cidadãos de A e de B, mas sobretudo cidadãos de um mesmo país, onde as oportunidades são alcançadas de forma igual", expressou.

Disse esperar que o debate seja profícuo e sugeriu alterações no formato dos debates, com vista a aglutinar os vários pronunciamentos dos deputados à uma Resolução em cada debate, que vincule o Parlamento. Apelou aos auxiliares do detentor do poder Executivo, das áreas competentes, a comparecerem no debate, por forma a participarem da discussão.

Reiterou o desejo de ver os debates mensais e eventualmente os debates de urgência a serem transmitidos em directos na imprensa pública.

Na mesma senda, o presidente da do Grupo Parlamentar da CASA-CE, André Mendes de Carvalho, disse que o debate vai servir para discutir as grandes questões da Pátria angolana, para encontrar amplos consensos. Segundo o parlamentar, esses consensos vão permitir ao país avançar em termos de desenvolvimento económico e desenvolvimento humano.

Informou, por outro lado, que os líderes parlamentares sugeriram a realização de um "debate de urgência sobre a situação do Banco Espírito Santo Angola". "Gostaríamos de facto de receber informação por parte do governador do Banco Nacional de Angola e do ministro das Finanças à volta dessa matéria, para sermos esclarecidos. Esta proposta ficou confrontada com outra da UNITA, que resolveu propor a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito", adiantou.

Ainda a respeito do debate sobre Reconciliação Nacional, o líder da Bancada da FNLA, Lucas Ngonda, considerou pertinente, porquanto o país saiu de "situações complicadas". "Será que todos aqueles que se bateram por vários motivos, mas com o nacionalismo no seu peito, hoje vivem em Angola satisfatoriamente?", indagou o parlamentar.

Espera que o debate não aflore apenas questões daqueles que lutaram ou deixaram de lutar nas matas, mas também sirva para analisar Angola no seu todo. "Angola não pode ser vista como quando estamos a ver um outro cidadão com etiqueta de um partido político. Estamos a ver um cidadão angolano, com direitos e deveres. Isto é que deve ser o espírito do cidadão e é uma cultura que se deve criar. O Parlamento é o lugar de excelência para criar esse tipo de cultura", expressou.

Disse esperar que o poder público tome boa nota dos argumentos, críticas e sugestões de todos os deputados intervenientes neste debate mensal. Angola vive um clima de paz efectiva desde 2002, que permitiu ao país a realização livre de dois ciclos eleitorais (2008) e (2012). Com a advento da paz, o país tem vindo a crescer e atingir níveis reconhecidos a nível internacional, que propiciam o maior desenvolvimento económico.

Fonte:Angop